Demolição de Telhados

demolidora em santo andre
Para a demolição das abóbadas ou telhas de tijolo, os locais subjacentes são
bloqueados e até a construção de uma tábua contínua, de forma a criar uma
estrutura de proteção contra o risco de queda de peças mesmo de certa
consistência.
A demolição de abóbadas falsas e tetos falsos é realizada por baixo, organizando
bancadas a uma certa altura; estes podem ser fixos ou móveis e neste caso
serão estabilizados pelos estabilizadores apropriados.
As paredes (paredes e pilares) depois de isoladas são demolidas com os
mesmos métodos analisados para a demolição das paredes de enchimento e
divisórias, tendo em conta que os andaimes exteriores devem ser libertados
apenas da parte da alvenaria a demolir.
A demolição das vigas de concreto armado envolve a construção de um
escoramento mais robusto, em relação às vigas, o seccionamento e posterior
remoção com guindaste; se as atividades nas horizontais dizem respeito a vários
andares, a demolição simultânea deve ser evitada.
Os pilares de concreto armado geralmente são retirados em pedaços, após
serem arreados e apoiados no topo e posterior desprendimento realizado com
martelo demolidor e maçarico de oxiacetileno; quanto aos pisos de tijolos de
ferro, a demolição dos pilares pode ser realizada com o auxílio de uma mini
escavadeira equipada com rompedor hidráulico.
A remoção das partes em balanço requer sempre um escoramento eficaz que
permita que a operação seja realizada sem o risco de colapso intempestivo. Em
particular, o problema surge durante a demolição de edifícios antigos com a
cornija contraposta pelo peso do telhado ou com as escadas construídas com os
degraus embutidos na alvenaria: a operação é realizada com o auxílio dos
equipamentos de escoramento, andaimes e ferramentas para a demolição e
remoção dos elementos.